Utilizamos cookies!

Olá! Nós utilizamos cookies para melhorar a experiência dos nossos usuários e usuárias ao navegar por nossos sites. Ao continuar utilizando nossos serviços online, entenderemos que você estará contente em nos ajudar a construir uma sociedade mais inclusiva e aceitará nossos cookies.

Para conferir como cuidamos de seus dados e sua privacidade, acesse nossa Política de Privacidade.

100 anos de Dorina

A mulher que enxergava o mundo com os olhos da alma.

Dorina de Gouvêa Nowill dedicou a vida à luta pela inclusão das pessoas com deficiência visual no Brasil e no mundo. Além da instituição que leva seu nome, deixou também um legado inspirador e um exemplo para todos. Confira abaixo os principais marcos históricos de sua trajetória:

1919 – Nascimento

Em 28 de maio, nasce Dorina de Gouvêa Monteiro, em São Paulo. Filha de Manuel Monteiro de Gouvêa e Dolores Panelli, Dorina teve dois irmãos Amélia, mais velha e Manuel, o caçula.

1927 – Primário

Entra no Externato Elvira Brandão, onde cursa do primário ao ginásio, formando-se em em 1935, em São Paulo.

1936 – A cegueira

Aos 17 anos, perde completamente a visão e a causa nunca foi diagnosticada.

1943 – Matricula-se na escola

É a primeira aluna cega a frequentar uma escola regular – o curso Normal – na Escola Caetano de Campos, na cidade de São Paulo.

1945 – Formatura

Forma-se na Escola Caetano de Campos. Ao longo do curso, desenvolve com o apoio de colegas um método para promoção de educação de crianças cegas. O projeto teve aprovação do Departamento de Educação do Estado, abrindo caminho para a instalação do I Curso de Especialização de Educação de Cegos na América Latina.

1946 – FLCB

Criação da Fundação para o Livro do Cego no Brasil (FLCB). Dorina, nos Estados Unidos, não pode assinar a Ata de Constituição em 11 de março, quando foi registrado em cartório o primeiro estatuto da organização

1946 – Viagem aos EUA

Viaja para os Estados Unidos para se especializar em Educação de Cegos no Teacher’s College, da Universidade de Columbia (EUA). Na época, expôs o problema da falta de livros em braille no Brasil e a necessidade de uma imprensa braille apoiar o trabalho de produção de livros acessíveis para a diretoria da Kellog’s Foundation for the Blind,.

1947 – Biblioteca Braille

Idealizadora da atual Biblioteca Braille (nomeada Louis Braille desde 2009), viabilizada por Lenyra Fraccarolli, que a época era diretora da Biblioteca Infantil (atual Biblioteca Juvenil Monteiro Lobato) Desde 1986, localiza-se no Centro Cultural São Paulo garantindo acessibilidade aos usuários. A Biblioteca segue recebendo as publicações produzidas pela Fundação Dorina Nowill para Cegos

1947 – Educação especial

Aproxima-se do Secretário de Educação, Carlos Pasquale, a quem convence a criar o Departamento de Educação Especial para Cegos. Vitória junto às autoridades governamentais.

1950 – Casamento

Casa-se com Edward Hubert Alexander Nowill, com quem terá cinco filhos, doze netos e dois bisnetos.

1951 – Assume a presidência

Assume a Presidência da Fundação para o Livro do Cego no Brasil (FLCB), onde atuou por mais de 60 anos.

1953 – Direitos conquistados

Em 3 de setembro, conquista mais uma vitória: que o direito à educação inclusiva do cego fosse garantido em lei no Estado de São Paulo através do Decreto de Lei 2.287, de 1953, as Leis de Classes Braille- marco na educação inclusiva.

1953 – Helen Keller

Com seu apoio, a ativista americana Helen Keller vem ao Brasil como visitante oficial do governo para uma série de palestras a empresários e universitários. Após essa visita seus vínculos se fortalecem, tornando-se grandes amigas.

1957 – Congresso na Noruega

Representa oficialmente o Brasil no II Congresso Internacional de Educadores de Jovens Cegos, em Oslo (Noruega).

1961 – Campanha nacional

É nomeada pelo presidente da República Jânio da Silva Quadros para dirigir o primeiro órgão Nacional de Educação de Cegos, no Ministério da Educação, Cultura, e Desportos, a Campanha Nacional de Educação e Reabilitação de Deficientes Visuais. (Atualmente esses ministérios estão denominados como Ministério da Educação, e o Ministério da Cultura é uma Secretaria Especial, dentro do Ministério da Cidadania).

1961 – Mestra do ano

Recebe o Prêmio Mestra do Ano nas comemorações do Dia do Professor da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.

1963 – Troféu Bartira

Recebe o Troféu Bartira concedido às 10 Mulheres mais atuantes de São Paulo – Revista Edição Extra.

1964 – Prêmio Lane Bryant

Recebe o Prêmio Lane Bryant International Volunteer Citation, do Comitê Internacional de Voluntariado (EUA).

1966 – Mulher do ano

É eleita Mulher do Ano pelo Clube Paulistano de Senhoras (Woman’s Club), como reconhecimento à suas atividades comunitárias.

1968 – Homenagem na TV

Recebe homenagem no Programa Esta é sua vida da TV Tupi, Canal 3 de São Paulo.

1969 – Medalha Olavo Bilac

É homenageada pelo Governo do Pará com a Medalha Olavo Bilac, em comemoração ao aniversário da morte de Olavo Bilac, deferência pelo trabalho na Secretaria da Educação na preparação de professores especializados no atendimento de crianças e adultos cegos.

1970 – Soroptimist Federation

Recebe o Título Women of Distinction Award, da Soroptimist Federation of Americas, que comemorou seu Jubileu de Ouro (A Federação é uma organização semelhante ao Rotary, mas de mulheres e suas lutas), EUA.

1971 – Representações

Consegue constituir oficialmente a Associação de Editoras de Ibero-América (Colômbia) sendo no ano eleita presidente, reeleita em 1973.

1974 – Congressos

Com seus esforços realiza-se em São Paulo o Congresso Internacional do Conselho Mundial para o Bem Estar dos Cegos com representantes de mais de cem países, e a V Assembleia Geral que teve como tema “Recursos e Relacionamentos no Trabalho com Cegos”.

1975 – Representando o Brasil

Representa o Brasil na Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os Direitos da Mulher. É aprovada a recomendação – em caráter mundial – para que a mulher com deficiência não fosse mais discriminada, e sim considerada cidadã plena de seus direitos.

1979 – Conselho Mundial

É eleita Presidente do Conselho Mundial para o Bem Estar dos Cegos na VI Assembleia Geral do Conselho, hoje União Mundial de Cegos .

1981 – Discurso na ONU

Discursa na Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) e chama atenção sobre a transferência de tecnologia dos países industrializados para os países em desenvolvimento, e defende ainda criação da Década da Pessoa Deficiente*.

* A terminologia correta, atualmente, é Pessoa com Deficiência, de acordo com a Convenção da ONU de 2006.

1985 – ULAC

Preside a Assembleia que cria a União Latino-Americana de Cegos (ULAC) que aglutinou os comitês e associações da área, sendo eleita primeira presidenta honorária da ULAC.

1987 – Ordem do Mérito

Recebe homenagem do Ministério da Educação e Cultura com a Ordem do Mérito Educativo.

1989 – OIT

Atua nos bastidores em conjunto com representantes civis e órgãos governamentais, e o Congresso Nacional ratifica a Convenção 159, da Organização Internacional do Trabalho (OIT). A convenção trata da reabilitação, treinamento e profissionalização dos cegos.

1991 – Fundação Dorina

Recebe homenagem da Fundação para o Livro do Cego no Brasil (FLCB) que dá seu nome à instituição passando a se chamar Fundação Dorina Nowill para Cegos.

1996 – Autobiografia

Lança sua autobiografia: “E eu venci mesmo assim”. Ed. Totalidade.

2000 – Presidente vitalícia

Deixa o cargo de Diretora-Presidente e torna-se Presidente Emérita e Vitalícia da Fundação Dorina Nowill para Cegos.

2001 – Prêmio de Educação

Recebe Prêmio de Educação Visconde de Porto Seguro, do Colégio Visconde de Porto Seguro de São Paulo.

2004 – Nasce Dorinha

Recebe homenagem do cartunista Mauricio de Sousa, que impressionado com a vida da educadora cria Dorinha, a primeira personagem com deficiência visual.

2009 – Braille 200 anos

Envolve-se nas comemorações do segundo centenário do nascimento de Louis Braille, inventor do sistema de leitura para cegos, participando ativamente da Comissão Organizadora.

2009 – Tribunal de Contas

Recebe homenagem do Tribunal de Contas do Município de São Paulo com o Colar de Mérito Prefeito Brigadeiro Faria Lima.

2010 – Falecimento

Falece aos 91 anos, em 29 de agosto, vítima de parada cardíaca em São Paulo.

2010 – Pina

Recebe homenagem póstuma da Pinacoteca do Estado de São Paulo com o Totem na Galeria Tátil, pela sua atuação e participação nas atividades desenvolvidas pelo Programa Educativo para Públicos Especiais (PEPE) da Ação Educativa.

2011 – Livro

Lançamento do livro: “Dorina Nowill: um relato da luta pela inclusão social dos cegos”, do jornalista Luiz Roberto de Souza Queiroz.

2012 – Homenagem no Carnaval

Recebe homenagem da Escola de Samba Tom Maior de São Paulo na ala com o tema Doação de Córneas. A Escola apresentou o enredo “Paz na Terra e aos Homens de Boa Vontade”, celebrando personalidades que lutaram em prol da cidadania e da justiça social.

2014 – EMEI Dorina Nowill

Recebe homenagem póstuma da EMEI Cidade Ademar, renomeada para Escola Municipal de Educação Infantil para Professora Dorina Nowill.

2015 – Homenagem do Senado

Recebe homenagem póstuma do Senado Federal com a Comenda Dorina Nowill, concedida para pessoas com contribuição relevante na defesa das pessoas com deficiência no Brasil

2016 – Documentário na HBO

Lançamento do Documentário Dorina: um olhar para o Mundo, o primeiro documentário brasileiro produzido pela HBO, produzido por sua neta Martha Nowill e dirigido pela cineasta Lina Chamie, parceira da Girafa Filmes, Dezenove Som e Imagem e Mil Folhas.

2017 – Av. Dorina Nowill

Recebe homenagem da Prefeitura de São José do Rio Preto com a nomeação de Avenida Professora Dorina de Gouvêa Nowill em São José do Rio Preto – Bairro Jessica.

2018 – Praça Dorina Nowill

Recebe homenagem da Prefeitura e Câmara Municipal da cidade de São Paulo com a inauguração da Praça Dorina Nowill, na Vila Clementino.

2019 – Centenário Dorina

Homenageada por seu centenário com o lançamento do Calendário 2019 da Fundação Dorina Nowill e lançamento do livro “Como Dorinha vê o mundo”, que apresenta a vida da personagem à crianças de escolas municipais de São Paulo, pelo projeto Série Dorina, viabilizado pelo FUMCAD.