Utilizamos cookies!

Olá! Nós utilizamos cookies para melhorar a experiência dos nossos usuários e usuárias ao navegar por nossos sites. Ao continuar utilizando nossos serviços online, entenderemos que você estará contente em nos ajudar a construir uma sociedade mais inclusiva e aceitará nossos cookies.

Para conferir como cuidamos de seus dados e sua privacidade, acesse nossa Política de Privacidade.

Criação da Fundação para o Livro do Cego no Brasil

No dia 11 de março de 1946, foi registrado em cartório o primeiro estatuto da recém-criada Fundação para o Livro do Cego no Brasil. Naquele período, Dorina Nowill estava nos Estados Unidos fazendo um curso de especialização para educação de pessoas com deficiência visual. O objetivo primordial da Fundação, que teve como sua primeira presidente Adelaide Reis Magalhães, era a produção de livros em braille, mas já existia a preocupação com atividades relacionadas à educação e inclusão das pessoas com deficiência visual na sociedade. No início, a instituição funcionou em uma sala cedida pela Cruz Vermelha Brasileira, mas, depois, Adelaide conseguiu, no prédio Itaquerê, na Rua da Quitanda, 94, duas salas, onde passaram a funcionar a biblioteca e o escritório.