Utilizamos cookies!

Olá! Nós utilizamos cookies para melhorar a experiência dos nossos usuários e usuárias ao navegar por nossos sites. Ao continuar utilizando nossos serviços online, entenderemos que você estará contente em nos ajudar a construir uma sociedade mais inclusiva e aceitará nossos cookies.

Para conferir como cuidamos de seus dados e sua privacidade, acesse nossa Política de Privacidade.

Ir para o conteúdo Ir para o menu principal

25 de Abril de 2018

Dorina e voluntários: histórias que se misturam

Ao longo da sua vida cheia de desafios Dorina contou com o apoio dos voluntários na implantação dos primeiros atendimentos.

Desde muito jovem, Dorina Nowill sempre esteve cercada de pessoas amigas e solidárias! Ao longo de sua vida, contou com a ajuda de muitas voluntárias que não conheciam limites para apoiar seu trabalho.

Na década de 1940, junto com a professora Carolina Ribeiro, buscou apoio da Cruz Vermelha Brasileira para que essas voluntárias aprendessem o Sistema Braille para transcrever livros. Naquela época, quase não havia instrumentos para a escrita em braile no país.

Aos poucos o grupo de voluntárias aumentou, e  Dorina obteve apoio do embaixador José Carlos de Macedo Soares que, sensibilizado pelo trabalho das copistas, conseguiu que a Companhia Paulista de Estradas de Ferro colaborasse para a produção das primeiras regletes brasileiras.

Essa é uma brevíssima história das copistas voluntárias na Fundação para o Livro do Cego no Brasil (FLCB). Cada vez mais temos que valorizar  nossos voluntários, que nos ajudam diariamente a  continuar o legado de Dorina Nowill na luta pela inclusão das pessoas cegas e com baixa visão.

Não podemos  contar a história da Fundação Dorina sem falar do apoio dos voluntários, seja na revisão braile, na organização de eventos, na produção dos nossos livros acessíveis e em tantas outras atividades!

Por Márcia Veloso, historiadora e colaboradora do Centro de Memória da Fundação Dorina Nowill Para Cegos.