Utilizamos cookies!

Olá! Nós utilizamos cookies para melhorar a experiência dos nossos usuários e usuárias ao navegar por nossos sites. Ao continuar utilizando nossos serviços online, entenderemos que você estará contente em nos ajudar a construir uma sociedade mais inclusiva e aceitará nossos cookies.

Para conferir como cuidamos de seus dados e sua privacidade, acesse nossa Política de Privacidade.

22 de julho de 2020

Fundação Dorina comemora Dia do Escritor com iniciativas de promoção à leitura inclusiva

Ações realizadas dão vazão às palavras escritas, tornando-as acessíveis para pessoas com deficiência visual

foto de Heloísa Schurmann com um livro aberto sobre prancheta à sua frente. Ela usa fones de ouvido e tem um microfone de estúdio posicionado à altura do rosto.

O dia 25 de julho é muito importante para o universo da leitura. Nele, celebra-se o Dia do Escritor, o profissional responsável por fazer das palavras um meio de informação, conhecimento e entretenimento. E é para que essas palavras sejam acessíveis a todos que a Fundação Dorina Nowill para Cegos trabalha.

Há 74 anos, nossa fundadora Dorina Nowill e algumas amigas, percebendo a carência de livros acessíveis para pessoas cegas e com baixa visão, começaram um movimento de transcrição manual de obras para o sistema braille, para a criação de uma biblioteca.

Desde então, o trabalho que começou modesto tomou grandes proporções e se tornou uma instituição reconhecida internacionalmente, abrigando a maior gráfica braille da América Latina em capacidade de produção.

Acesso à informação

Foto de Ana Júlia, criança atendida pela Fundação. Ela está no parquinho da Fundação, segurando um livro aberto em sua frente e sorri. Ela veste blusa rosa e óculos de hastes na cor roxa.

Seguindo o legado de Dona Dorina, a Fundação mantém como um de seus pilares a promoção do acesso à informação e educação.

“Nós oferecemos materiais acessíveis às condições de leitura e escrita dos mais 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual no Brasil, ampliando, assim, as possibilidades de interagirem com a sociedade e de trilharem um futuro mais independente, de maneira plenamente cidadã”, afirma Kely Magalhães, gerente de Serviços de Apoio à Inclusão da Fundação Dorina.

São os projetos de incentivo à cultura que possibilitam à Fundação produzir e disponibilizar essas obras gratuitamente, por meio da Biblioteca Circulante e Dorinateca, a versão digital. Entre os mais de 5 mil títulos em nosso acervo, estão livros falados, livros digitais e arquivos em braille e letra ampliada para impressão.

O trabalho também acontece para fora. Só em 2019, foram distribuídos mais de 220 mil livros em formatos acessíveis para 3.065 bibliotecas, escolas e organizações sociais de todo o Brasil. Além disso, também participamos do maior projeto de produção de livros didáticos do mundo, o Plano Nacional do Livro Didático, com a impressão de cerca de 10 milhões de páginas em braille no último ano.

Promoção da leitura

Mas as ações não param por aí. Além de produzir e distribuir livros, a Fundação Dorina também se preocupa em atuar junto aos mediadores de leitura, para garantir que a leitura inclusiva esteja, de fato, sendo efetiva e chegando às pessoas com deficiência visual.

Fazemos isso por meio da articulação constante de uma Rede de Leitura Inclusiva, que mobiliza e promove ações compartilhadas com organizações em todo o Brasil, visando o empoderamento dessas instituições e seus representantes, para que a pessoa com deficiência visual tenha seu direito de acesso à informação cada vez mais garantido.

Engajamento

Com todo este trabalho, a Fundação Dorina tem conseguido engajar também os escritores – que são figuras essenciais nesse processo – para a causa da acessibilidade e da leitura inclusiva. Exemplo disso são as autoras Cristiane Correa e Heloisa Schurmann, que gravaram os prefácios de seus best sellers em versões faladas nos estúdios da Fundação.

“São muitas emoções retratadas nas páginas e, agora, nos áudios do livro. Me emocionei ao escrever, me emocionei ao gravar e me emociono em saber que nossa história passa a fazer parte também da vida das pessoas com deficiência visual. Não por vaidade, mas pela possibilidade de poder incluí-las entre tantos leitores impactados por sentimentos tão lindos e positivos”, afirma Heloisa.

Por tudo isso, nesse Dia do Escritor, comemoramos as conquistas já alcançadas até aqui e encorajamos esses profissionais tão importantes a serem agentes de inclusão, valorizando a acessibilidade e tornando suas obras cada vez mais acessíveis e inclusivas para todos.

Para saber mais sobre a produção de obras acessíveis, entre em contato pelo e-mail comercial@fundacaodorina.org.br. Ou, caso sua organização deseja receber os livros produzidos pela Fundação, mande um e-mail para leiturainclusiva@fundacadorina.org.br.