Utilizamos cookies!

Olá! Nós utilizamos cookies para melhorar a experiência dos nossos usuários e usuárias ao navegar por nossos sites. Ao continuar utilizando nossos serviços online, entenderemos que você estará contente em nos ajudar a construir uma sociedade mais inclusiva e aceitará nossos cookies.

Para conferir como cuidamos de seus dados e sua privacidade, acesse nossa Política de Privacidade.

Ir para o conteúdo Ir para o menu principal

5 de Fevereiro de 2018

Um relato sobre Dorina Nowill

Confira o artigo preparado pelo Prof. Jesus Rudney Tabacchi, membro do Conselho de Curadores da Fundação Dorina.

Imagem de Dorina Nowill jovem em preto e branco. Dorina está sentada em uma mesa sorrindo

Conheci Dorina Nowill nos anos 60, mais precisamente 1966. Nosso primeiro encontro deu-se na Secretaria da Educação do Estado São Paulo. Nessa época Dona Dorina dirigia a Campanha Nacional de Educação de Cegos, ao lado de tantas outras atividades das quais participava, sempre visando o bem-estar de pessoas com deficiência visual ou baixa visão. Nesse momento de sua vida Dona Dorina Nowill já havia travado lutas heroicas ao longo de sua existência. Estava nesse momento buscando apoio da sociedade para o objetivo principal de sua vida-criação de um centro educacional para tirar a pessoa cega ou com baixa visão de seu abandono e isolamento e incluí-la na sociedade na qual convivia.

Dona Dorina com seu esforço lutou para garantir o direito a educação à pessoa com deficiência visual, tornando realidade a inserção dessas pessoas na educação formal e estruturada em nosso país. Um dos pontos fortes em direção a esse objetivo foi a criação da Fundação para o Livro do Cego no Brasil – hoje Fundação Dorina Nowill para Cegos em sua homenagem – pois segundo Louis Braille “os cegos não podem ser educados sem livros que possibilitem a eles a sua cidadania”. Dona Dorina Nowill sempre foi uma lutadora na busca do sucesso das causas que abraçava. Dizia que pessoas com deficiência visual podem e não devem ser discriminadas. No setor Educacional a Fundação Dorina oferece serviços que levem autonomia, reabilitação, avaliação de resultados da educação formal e saúde ocular. Essa missão é que norteia todas as atividades desenvolvidas pela instituição, pois elas demostraram ao longo de várias décadas que realmente é possível educar todas as pessoas tornando sua vida mais fácil, ensinando-a a se bastar nas suas tarefas diárias.

A Fundação Dorina Nowill para Cegos tem obtido muitos sucessos junto às pessoas com deficiência visual. Dorina reiterava sempre que o sucesso e os resultados positivos da Fundação mais do que outra coisa é fruto do trabalho coletivo de dezenas de diretores, voluntários e colaboradores que exercem suas funções com dedicação total na busca de seu grande objetivo de facilitar a inclusão social de pessoas cegas ou com baixa visão, respeitando as necessidades individuais e sociais por meio de produtos e serviços especializados que oferece. Dona Dorina sempre dirigiu a Fundação que fundou tendo como lema “vencer na vida é manter-se de pé quando tudo parece estar desmoronando. É lutar quando tudo parece perdido. É aceitar o irrecuperável. É buscar um caminho novo com energia, confiança e fé”.

Imagem de Prof. Jesus Rudney Tabacchi. Veste camisa azul e jaqueta preta

Prof. Jesus Rudney Tabacchi é membro do Conselho de Curadores da Fundação Dorina Nowill para Cegos. Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1979). Graduado em Pedagogia pela Universidade de Mogi das Cruzes (1968) e Supervisor de Ensino – Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.