Cleide

O amor pelo trabalho

Ajude-nos a contar mais histórias como estas. Faça uma doação

Clique no player abaixo para ouvir o depoimento de Cleide com recursos sonoros especiais ou leia o texto na íntegra logo em seguida!

“Eu me chamo Cleide Severiano, tenho 35 anos. Nasci com a catarata congênita e fiquei muito tempo fora da escola por não morar perto de uma escola que oferecesse acessibilidade para mim.

Até os meus 24 anos, eu não tinha tido contato com o mercado de trabalho, com a escola, com a vida social, no modo geral. E a partir de 2006 a Fundação Dorina abriu as portas pra mim.

Eu até falo que parece que eu tive duas vidas: uma antes e outra após 2006, que foi quando tudo mudou.

Só que eu tive que tomar uma decisão muito importante. Trabalhando, eu não poderia receber o benefício do governo, e eu escolhi trabalhar. Já trabalho há 10 anos e não me arrependo em nenhum momento de ter feito essa escolha.

Eu quero, futuramente, fazer Pedagogia. E se futuramente eu tiver a oportunidade de ensinar o braille, eu gostaria muito. Então, só o fato de saber que o braille está alcançando outras crianças, isso já me anima muito!

Eu gostaria de passar para as pessoas o que eu não tive”

Dorina 100 anos

Esta é uma das 13 histórias que ilustram o Calendário Acessível 2019 da Fundação Dorina, que celebra o centenário de sua fundadora. Dorina Nowill faria 100 anos no dia 28 de maio de 2019.

Hoje, a instituição que leva seu nome oferece atendimento gratuito nas áreas de Reabilitação, Educação Inclusiva e Empregabilidade para milhares de pessoas cegas ou com baixa visão, além de possuir uma das maiores gráficas braille do mundo.

Para conhecer mais histórias de vida acesse nosso acervo